Music News

Os álbuns imperdíveis de maio 2024

Todos os meses, a equipe editorial da Qobuz identifica os discos imperdíveis lançados em todos os gêneros. Confira aqui a seleção de abril de 2024.

Illustration by Jess Rotter

INDIE & ALTERNATIVO

No início de maio, os jovens irmãos d’Addario, conhecidos como The Lemon Twigs, lançaram A Dream Is All We Know. Este quarto álbum, com uma produção impecável, segue a trilha do pop dos anos sessenta, evocando Beatles e Beach Boys, e sucede a obra-prima Everything Is Harmony do ano passado. Após o trágico acidente de carro que vitimou seu noivo em 2022, Shannon Shaw encontrou forças para retornar ao estúdio com seus Clams. Mais uma vez produzido por Dan Auerbach dos Black Keys, The Moon Is the Wrong Place, com sua inédita inclinação para o rock cosmo-psicodélico, chega para ocupar um lugar especial na discografia da banda.

Ainda nos Estados Unidos, o retorno inesperado de DIIV não pode ser ignorado. Após quatro anos de reflexão que quase os levou ao fim, o quarteto lança Frog in the Boiling Water. Embora tenham mudado de gravadora, a identidade sonora permanece intacta. Em meio a samples e breakbeats, as guitarras shoegaze e as vozes carregadas de reverb continuam presentes. O segundo álbum da dupla de Liverpool, King Hannah, também merece destaque. Escrito durante a turnê pelos vastos espaços norte-americanos, onde se percebe uma poesia áspera e sombria, Big Swimmer recebeu até nossa distinção Qobuzissime.

ROCK

Trinta anos após a estreia do Portishead, Beth Gibbons lança seu primeiro verdadeiro álbum solo. Gravado ao longo de 10 anos, o espectral e exuberante Lives Outgrown sustenta o peso de uma década de reflexão e mudanças. Com a inesperada morte de Steve Albini, Shellac lança seu álbum final, To All Trains, que condensa anos de intensidade sonora em uma meia hora compacta e implacável.

O nome artístico adotado por Cynthia Rittenbach, Rickenbach, é uma dica do jangle-pop dos sonhos que aguarda em Combustible Gems, o mais recente trabalho de sua banda Lightheaded. O trio K-punk Sailor Honeymoon mistura guitarras distorcidas com um estilo cool de escola de arte em seu EP de estreia autointitulado. Cantando em coreano e inglês, eles buscam inspiração no cotidiano.

Para completar o mês, há algum artista que pareça mais confortável em sua própria pele (ou melhor, em calças de couro) do que Lenny Kravitz? Seja para momentos íntimos ou para agitar nas ruas, Blue Electric Light com certeza tem uma música para você. Já Slash retorna às raízes do rock e relembra que o blues está na base de tudo, ou quase tudo. Agora, ele presta homenagem a grandes clássicos, gravados com uma série de convidados ilustres, entre eles Billy Gibbons, Gary Clark Jr., Brian Johnson, Iggy Pop, Demi Lovato e Beth Hart. Nada menos que isso... Mais impressionante do que qualquer supergrupo de estrelas.

POP

Misturando pop e lounge em seu estilo eclético de folk, Jessica Pratt atinge facilmente seu objetivo com Here in the Pitch, capturando “sons panorâmicos que fazem você pensar no oceano e na Califórnia”. Discordante, hiperconsciente e delicado, nothing or something to die for de mui zyu frequentemente desestabiliza o ouvinte com seu experimentalismo, ao mesmo tempo em que o conforta com salmos suaves e convidativos.

A voz de Arooj Aftab sempre impressiona, mas em Night Reign, seu tributo à escuridão, suas escolhas de colaboradores e temas contribuem para um muro de gêneros perfeitamente mesclados. Neil Finn e seus companheiros de banda — incluindo os filhos Liam e Elroy — retornam em excelente forma vocal no oitavo álbum do Crowded House, Gravity Stairs. Finn é nostálgico, mas também olha para o futuro com gratidão, como canta em All That I Can Ever Own. As dinâmicas dos irmãos Eillish estão em plena exibição no mais novo trabalho de Billie, HIT ME HARD AND SOFT, com uma riqueza de influências, temas e angústias traduzidas em uma incrível gama de emoções.

MÚSICA ELETRÔNICA

Em maio, o Ibibio Sound Machine evoca o jazz e a dança africana em Pull the Rope, seu quinto lançamento, poderoso e incrivelmente divertido. O duo britânico Nightports convida de volta o pacífico artista de jazz Matthew Bourne e transforma seu toque de dulcitone em um turbilhão sonhador — e às vezes pesadelos — com Dulcitone 1804. Extraído de uma sessão de improvisação de três horas em 1998, que foi transmitida ao vivo, Sushi. Roti. Reibekuchen captura Brian Eno, Holger Czukay (do Can) e os membros do Slop Shop, Peter J. Schwalm, Jern Atai e Raoul Walton, movendo-se por corredores metálicos de ecos com linhas de baixo hipnóticas e dubby em sua única performance juntos. Part 1: Fear of Living de TAKA é quase orquestral, se destaca pelas suas várias explorações para criar uma paleta eletrônica colorida e vibrante. Por último, o veterano produtor Machinedrum deu pequenos passos à frente em 3FOR82, enquanto uma fila de rappers convidados mostra que, no fim das contas, nada em seu processo precisa mudar.

JAZZ

O saxofonista (e flautista) de Downtown-NYC, Alan Braufman, teve um intervalo de 45 anos entre o primeiro e o segundo álbuns lançados em seu nome, mas retorna após apenas quatro anos com o vibrante free jazz no terceiro álbum Infinite Love Infinite Tears. Kamasi Washington abandona composições épicas de longa duração, mas ainda abraça a grandiosidade musical em Fearless Movement, um excelente álbum funky.

Um show em NYC cancelado pela Covid-19 permitiu que Latrala encontrasse tempo para gravar juntos, resultando em um álbum autointitulado que é uma experiência de jazz lindamente realizada e florescente. Ainda em maio, testemunhamos os Fania All Stars em seu ápice cultural com a remasterização do 50º aniversário de Latin-Soul-Rock. Este lançamento meio ao vivo, meio em estúdio, resultou de uma multidão entusiasmada invadindo o campo no Yankee Stadium, fazendo o concerto dos All Stars ser interrompido.

Unknown Rivers, outro álbum composto por duas sessões separadas — uma ao vivo e outra em estúdio com formações diferentes em cada uma — não deveria fluir tão bem, mas Luke Stewart consegue realizar isso perfeitamente. Em Central Park’s Mosaics of Reservoir, Lake, Paths and Gardens, os veteranos Wadada Leo Smith e Amina Claudine Myers — surpreendentemente em sua primeira colaboração gravada — prestam homenagem a algumas de suas coisas favoritas com uma conversa instrumental improvisada e plácida.

MÚSICA CLÁSSICA

Maio foi verdadeiramente um mês de gravações excepcionais de piano. Os destaques incluem o premiado Scriabin - Scarlatti de Julius Asal, que recebeu nosso Qobuzissime; Schubert: Ländler, um álbum repleto de valsas de 45 faixas de Pierre-Laurent Aimard; Mozart & Poulenc: Double & Triple Piano Concertos, projeto familiar de Kent Nagano com a participação de sua esposa (Mari Kodama), cunhada (Momo Kodama) e filha (Karin Kei Nagano); e The Vienna Recital de Yuja Wang, com repertórios de Scriabin, Beethoven, Ligeti, Glass, Brahms, Gluck, entre outros.

Além do piano, a gravação de violino barroco de Rachel Podger, The Muses Restor’d, que apresenta desde peças íntimas lideradas pelo violino até obras com instrumentação completa, é imperdível. E começamos a celebrar antecipadamente os 30 anos do Miro Quartet como conjunto, que ocorrerá em 2025, com Home, que traz obras recém-encomendadas de Caroline Shaw e Kevin Puts, além de explorações de outros compositores americanos como George Walker e Samuel Barber.

OUTROS FAVORITOS

Por mais exaustivo que possa ser, Rapsody voltou com Please Don’t Cry para lembrar a todos quem ela é, o que faz e por que é uma das melhores de todos os tempos. Aos 81 anos, Swamp Dogg ainda não mostra sinais de aposentadoria. Blackgrass: From West Virginia to 125th St é uma mistura de originais e covers que destacam as raízes negras da música bluegrass e conta com uma lista de convidados estrelados como Vernon Reid e Margo Price, além de uma injeção da peculiar jovialidade de Swamp Dogg.

A multi-talentosa Liraz apresenta Enerjy ا ن ر ژ ی, um EP de cosmic-disco cantado em Farsi, destinado a elevar o ânimo em tempos difíceis. Cara Beth Satalino traz a composição evocativa que introduziu na antiga banda Outer Spaces para o meio do folk, que a recompensa ainda mais em Little Green. O trabalho de Mike Watt com os roqueiros experimentais italianos Stefano Pilia e Paolo Mongardi (com o grupo Il Sogno Del Marinaio) é amplamente subestimado, e o novo álbum Terzo é o candidato perfeito para mudar isso.

Mais do que um complemento ao catálogo funk-folk de Tommy Guerrero, Los Days adiciona uma sensação de post-rock, semelhante aos melhores projetos paralelos do Los Days, em Dusty Dreams. Além desses, Drew McDowall, ex-membro do Coil, conecta uma série de referências arcaicas e estilos de execução para criar A Thread, Silvered and Trembling, um conjunto de explorações corais, não exatamente neoclássicas, mas muito pesadas para ser consideradas ambient.